ApordocDoc LisboaLisbon DocsPanoramaDoc's Kingdom                                                                                                    


entrada       sobre       2018       arquivo       álbum       dear doc                  Seminário Internacional sobre Cinema Documental


 
Bolsas Doc’s Kingdom 2018


Bolsa Eduardo Coutinho

Rafael Urban é cineasta e produtor. Coordena a Sto Lat Filmes. Seus trabalhos foram exibidos em festivais como Roterdão, Cinéma du Réel e FidMarseille e em 27 países. Dirigiu “Ovos de dinossauro na sala de estar” (2011), melhor curta-metragem do 66o Festival de Edimburgo. Seu trabalho seguinte, “A que deve a honra da ilustre visita este simples marquês?” (2013), recebeu três prêmios no Festival de Brasília. Produziu o longa documentário “O Touro” (2015), dirigido por Larissa Figueiredo, que estreou no 44o Festival de Roterdão. É professor em diversas instituições, como a EICTV, em Cuba. Coordena o Ficção Viva, série de encontros com realizadores como Lucrecia Martel, Miguel Gomes e Pedro Costa.


Pr
émio Verdes Anos Doclisboa

Ana Vîjdea é uma realizadora romena formada em “Cinematography and Media” na Babes-Bolyai University em Cluj-Napoca. Foi estudante Erasmus na Turquia e em Portugal e Fulbright scholar na Syracuse University (USA). Realizou o documentário “John 746”, premiado com a “Melhor Realização” na competição Verdes Anos do Doclisboa’17. Em 2017, foi nomeada uma das "25 New Faces of Independent Cinema" na Filmmaker Magazine.

Kate Saragaço-Gomes nasceu em Toronto, no Canadá, em 1993, mas cresceu no sul de Portugal. Em 2015, concluiu a sua licenciatura em Cinema, com especialização em Produção, na Escola Superior de Teatro e Cinema. Após alguns anos de trabalho como assistente de realização e chefe de produção, partiu rumo à Dinamarca onde está a estudar Semiótica Cognitiva. A sua primeira experiência na realização resultou na curta metragem documental experimental “O Cabo do Mundo”, com estreia no DocLisboa’16, onde foi reconhecida com o Prémio Especial do Júri Verdes Anos.


Programa Gulbenkian de Língua e Cultura Portuguesas

Deborah Viegas nasceu em 1993 em Minas Gerais, Brasil e vive em Lisboa. Graduada em cinema pela FAAP, escreveu e dirigiu as curtas-metragens de ficção "A casa cinza e as montanhas verdes" (2016), "São Paulo com Daniel" (2015) e "Kyoto" (2014), exibidos e premiados em festivais internacionais de cinema como Rotterdam, Oberhausen e no Lincoln Center, bem como apresentados em publicações como Cahiers du Cinéma (730) e Artforum. Viegas colabora também frequentemente como montadora e roteirista com outros artistas.

Helena Estrela nasceu em 1993 no Porto, onde vive e trabalha. Estudou cinema na Escola Superior de Teatro e Cinema, em Lisboa, onde em 2015 concluiu a Licenciatura no ramo de Realização, com estágio curricular na equipa de realização do filme “Colo”, de Teresa Villaverde. Realizou a curta metragem “Heroísmo”, com estreia em 2016 na Competição Nacional do IndieLisboa e estreia internacional no FICUNAM, onde venceu o prémio de melhor curta-metragem. “Heroísmo” foi também programado no Festival Caminhos do Cinema Português, no Festival de Cinema Luso-brasileiro e Reverso – Encontro de autores, artistas e editores independentes.

Loide Santos é natural de Cabo Verde e vive em Portugal há 13 anos. Formada em Vídeo e Cinema Documental pela Escola Superior de Tecnologia de Abrantes, está a concluir o mestrado em Estética e Estudos Artísticos com especialização em Cinema e Fotografia na FCSH-UNL. Como Lolo Arziki, realizou o vídeo e performance “Relatos de uma Rapariga Nada Pudica” e o documentário “Homestay”, premiado no Festival Avanca 2017 e no Festival Internacional de Cinema da Praia (Revelação Nacional). Curadora no Festival Kilimanjaro - África em Nós, São Paulo e na Mostra Itinerante de Cinema Negro - Mahomed Bamba, Salvador da Bahía.

Paulo Carneiro nasceu em 1990 em Lisboa, onde vive e trabalha. Licenciado em Som e Imagem pela Escola Superior de Artes e Design de Caldas da Rainha. Trabalha em cinema desde 2011, em funções de montagem, produção e realização. Em 2014, estreia “Água para Tabatô” no Jihlava IDFF. Em 2018 estreia a sua primeira longa-metragem “Bostofrio, où le ciel rejoint la terre” no IndieLisboa (menção honrosa Árvore da Vida). É mestrando na Escola Superior de Teatro e Cinema e realizará o seu filme de tese num intercâmbio na HEAD-Genève em 2019.

Rita Quelhas nasceu em 1994 em Lisboa. Licenciada em Realização pela Escola Superior de Teatro e Cinema em 2015, realizou "Uivo" (DocLisboa '14, Panorama 2015, Montanha Pico Festival) e "A Minha Juventude" (IndieLisboa 2016, FILMADRID 2017 – Melhor Filme Prémio Júri Jovem, FEST – Menção Honrosa Prémio Nacional). Publicou o ensaio “The Gaps and Detours in Madame De…” na revista online canadiana Offscreen. Trabalhou com outros realizadores e artistas na área de montagem, tais como Salomé Lamas, Miguel Clara Vasconcelos e Ana Pérez-Quiroga. Trabalha actualmente com a companhia Arena Ensemble, enquanto assistente de encenação e vídeo dos encenadores Beatriz Batarda e Marco Martins.


California Institute of the Arts

Bolseiros acompanhados pelas docentes Rebecca Baron (School of Film/Video) e Kaucyila Brooke (School of Art), com o apoio da Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento (FLAD).

School of Film/Video

Alisha Mehta is an Indian filmmaker, cinematographer and producer currently living in Los Angeles, California. Her short “Losing Light” was selected for the California Institute of the Arts Film Directing Program showcase and screened at the REDCAT in downtown LA. She is currently working on developing her thesis, “Lata” (Working Title), and is in the post production phase of a documentary, “Happy Valley”, that she directed this past summer in Sikkim, India. In 2011 she received her B.A. in Transitional Justice in Post-Conflict Societies from Grinnell College and is currently pursuing an MFA degree in Film Directing at the California Institute of the Arts, LA.

Leanna Kaiser: “I am an experimental musician and filmmaker from St. Louis, MO currently living outside of Los Angeles, CA. My film work focuses on personal interpretations of experiences, and is largely improvisational in both sound and image. In this way, I consider much of my practice to be documentation. Although the content is experimental and abstract, the methods in which it is captured is often more akin to documentary. My work has been shown at RedCat in Los Angeles, the St. Louis International Film Festival, SEFF Binghamton, Scuzzfest, and various other film festivals. Most recently, I received a grant from the Allan Sekula Documentary Fund to continue work on my thesis film.”

School of Art

Elizabeth Ruiz

Norris Duckett III is an artist based in Los Angeles California who works in mixed media focusing on social and cultural issues that lead into political imbalance. His work has been displayed and performed in Redcat, Cal Art’s Gallery space, and more. Norris’s work is uniquely able to transcend and adapt to performance and gallery spaces through way of storytelling. His work is displayed in an edgy raw format that is universal. His use of visual ques captivates your attention to engage with the work. He has earned awards such as the Fred Fredrickson scholarship. Also a CSUN alumni honors graduate.


Doc's Kingdom  |  Casa do Cinema, Rua da Rosa, 277, 2º - 1200-385 Lisboa, Portugal  |  +351 218 883 093  |  docskingdom@docskingdom.org