2006 Serpa
    Com a presença de
Doc’s Kingdom

Um ponto de vista sobre o mundo é um ponto de vista sobre o cinema. Se há que esperar dum filme que veicule um ponto de vista sobre o mundo, haverá também que lembrar, hoje, a importância da asserção quase inversa: no ruído audiovisual contemporâneo, a utilização produtiva dos meios do cinema reclama um ainda maior compromisso, uma ainda maior exigência e uma ainda maior clareza sobre o próprio lugar do cinema no mundo actual. Tanto quanto um ponto de vista sobre o mundo, o surto de produção de imagens reclama um ponto de vista sobre o cinema enquanto parte consequente de uma visão do mundo. O seminário de 2006 incluirá exemplos disso, obras e autores que marcam território e que, como tal, nos servirão de âncoras numa viagem por alguns pólos do cinema contemporâneo. Começando com filmes em que é mais sublinhada a existência de um princípio construtor por trás de cada plano, passar-se-á depois sobretudo pelas metodologias recentes do cinema directo.

13 Junho, Terça
Sessão #1, Noite
Encontros
2006, 105 min
Pierre-Marie Goulet

Encontros pretende circunscrever a presença de uma tribo sonora, musical e poética, humana, uma tribo analógica e surpreendente cujo território não corresponde a nenhum território geograficamente conhecido. O filme entrecruza diferentes encontros, presentes ou passados, entre pessoas e memórias. E assim, através desses entre-cruzamentos de personalidades, por vezes tão diferentes mas que se ‘reconhecem’ umas às outras, desenhar-se-á uma interrogação sobre aquilo que nos constitui, e em que medida a memória, o olhar do outro e as partilhas nos enriquecem.

Debate a partir do filme de Pierre-Marie Goulet
14 Junho, Quarta
Sessão #2, Manhã
Tout Refleurit
2006, 80 min
Aurélien Gerbault

“Fascinado pelo bairro das Fontainhas, Pedro Costa filma quotidianamente os seus habitantes. Para Pedro, o trabalho e a vida são indissociáveis, o retrato do realizador e do homem são então o mesmo. O filme trata desta ligação indefectível, seguindo a rodagem do filme de Pedro, sem se restringir ao local das filmagens. O meu trabalho situa-se na margem do seu, mais precisamente quando o seu dia de rodagem termina…” – Aurélien Gerbault

Sessão #3, Tarde
Juventude em Marcha
2006, 115 min
Pedro Costa

Ventura, um imigrante cabo-verdiano dos subúrbios de Lisboa, é abandonado pela sua mulher, Clotilde. Perdido entre as ruínas do velho bairro, onde viveu nos últimos trinta e quatro anos, e o seu novo apartamento, num bairro de realojamento social acabado de construir, todos os amigos e vizinhos que encontra se tornam seus filhos.

Debate a partir dos filmes de Aurélien Gerbault e de Pedro Costa
15 Junho, Quinta
Sessão #4, Manhã
O Directo em Questão
Sessão #5, Manhã
À Flor da Pele
2006, 60 min
Catarina Mourão

Esta é a história do Verão do Rui. O Rui tem 13 anos e, ao contrário dos outros rapazes do bairro, não gosta de futebol, antes prefere refugiar-se num mundo fantástico povoado de dinossauros e outros animais da selva. Mas este não é um Verão qualquer. Estamos em Junho de 2004, o mês do Campeonato Europeu de Futebol, o mês em que os miúdos entram de férias da escola, o calor aperta, e não há nada para fazer a não ser esperar pelos jogos, adivinhar resultados, e acreditar que uma vitória portuguesa no Europeu possa ‘salvar’ o país da depressão. Por vezes, o bairro surge-nos como idílico e harmonioso, outras vezes somos surpreendidos pela violência a que os miúdos estão expostos e que reproduzem diariamente. No final, a derrota e a resignação: a vida continua…

Sessão #6, Tarde
Elogio ao 1/2
2006, 70 min
Pedro Sena Nunes

Tudo pode acontecer quando se observa um bairro que fica entre a linha do comboio e a linha do mar. Este comboio termina na cidade de Lagos. Meia-Praia é nome e terra dos ‘índios’ que, vindos de Monte Gordo, espontaneamente construíram as suas cabanas de refúgio para sobreviverem ao sonho dourado que Lagos não conseguiu cumprir. Com o 25 Abril, foi desenvolvido um plano arquitectónico intitulado SAAL – Serviço de Apoio Ambulatório Local, com o objectivo de requalificar urbanisticamente o conjunto de barracas feitas de junco, transformando-as em casas construídas pelos próprios habitantes, orientados por arquitectos e técnicos especializados. Muitas das promessas políticas feitas há trinta anos continuam por cumprir. A comunidade de pescadores da Meia-Praia é um tema que faz parte da memória colectiva pós-revolucionária.

Debate a partir dos filmes de Catarina Mourão e de Pedro Sena Nunes
Sessão #7, Tarde
Sunder Nagri
2003, 78 min
Rahul Roy

Sunder Nagri (Cidade Bonita) é uma vila de pequeno operariado nos arredores de Delhi. A maior parte das famílias que aí residem vem de uma comunidade de tecelões. Nos últimos dez anos assistiu-se a uma desintegração gradual da tradição de tecelagem manual nesta comunidade, face ao regime de globalização. As famílias têm de lidar com a mudança e reinventar-se a si mesmas para dar rumo às suas vidas. Sunder Nagri é a história de duas famílias que lutam por dar sentido a um mundo que os atira cada vez mais para as periferias. Radha e Bal Krishan atravessam um momento crítico da sua relação. Bal Krishan tem empregos precários e é constantemente enganado. Os dois estão em desacordo em relação à possibilidade de Radha ir trabalhar. Apesar dos altos e baixos, ainda conseguem rir. Shakuntla e Hira Lal quase não comunicam. Vivem sob o mesmo tecto com as suas crianças, mas estão encurralados nas suas próprias tragédias pessoais.

Debate a partir do filme de Rahul Roy
16 Junho, Sexta
Sessão #8, Manhã/Tarde
Belfast, Maine
1999, 248 min
Frederick Wiseman

Belfast, Maine é um filme sobre experiências comuns numa bonita cidade portuária da Nova Inglaterra. Um retrato da vida diária com especial ênfase no trabalho e na vida cultural da comunidade. O filme foca o trabalho de pescadores de lagostas, mestres de rebocadores, operários, comerciantes, conselheiros camarários, médicos, juízes, polícias, professores, assistentes sociais, enfermeiras e padres. As actividades culturais retratadas incluem ensaios de coro, aulas de dança, aulas de música e a produção de peças de teatro.

Debate a partir do filme de Frederick Wiseman
17 Junho, Sábado
Sessão #9, Manhã
O Primeiro Olhar
Os Filhos de Lumière

Sessão de apresentação dos filmes do projecto ‘O Primeiro Olhar’, com Pierre-Marie Goulet, Teresa Garcia e Kees Baker

Sessão #10, Manhã
La Dernière Lettre
2002, 61 min
Frederick Wiseman

Anna Semionovna, médica, judia e russa, vive numa pequena cidade ucraniana invadida pelos alemães. Anna escreve uma última carta ao seu filho, que está a salvo da guerra. Anna sabe que dentro de alguns dias, juntamente com outros judeus, será ‘eliminada’ pelos alemães. A carta recorda alguns dos momentos mais importantes da sua vida: a relação com o filho, o seu amor por ele, a sua vida de estudante em Paris, o seu casamento falhado. Anna descreve a crueldade e o horror da ocupação, a relutância em admitir o que está a acontecer, a colaboração, indiferença e inveja de alguns dos seus vizinhos ucranianos e russos, a ajuda e preocupação de outros, e a gradual percepção que a sua herança judia é, para si, mais importante do que a sua nacionalidade russa e crença comunista.

Close reading com Frederick Wiseman
18 Junho, Domingo
Sessão #11, Manhã
I'll Be Your Eyes, You'll Be Mine
2006, 47 min
Keja Ho Kramer
Stephen Dwoskin

Através dos arquivos de Robert Kramer, Keja Ho, como um detective, anda à procura do pai morto. A presença fantasmagórica do pai assombra-a enquanto ela faz a sua investigação, oscilando num diálogo pessoal entre memórias familiares, as reminiscências de amigos e a imagem fugidia do pai. A colaboração com Stephen Dwoskin está no fazer das imagens e no combiná-las de um modo que fala de sentimentos. A forma de I’ll Be Your Eyes, You’ll Be Mine não é nem a de um documentário nem de uma cronologia. É uma forma muito pessoal que nasce da incrível ausência que sentimos na morte.

Debate a partir do filme de Keja Ho Kramer e Stephen Dwoskin
Sessão #12, Tarde
Debate final
Debate a partir do filme de Pierre-Marie Goulet
com Pierre-Marie Goulet, José Manuel Costa, Serge Meurant e Cyril Neyrat
Debate a partir dos filmes de Aurélien Gerbault e de Pedro Costa
com Pedro Costa, Aurélien Gerbault, José Manuel Costa e Emmanuel Burdeau
O Directo em Questão
debate moderado por José Manuel Costa e Nuno Lisboa; com Pedro Sena Nunes, Leonor Areal, Susana Nobre, Catarina Mourão e Catarina Alves Costa
Debate a partir dos filmes de Catarina Mourão e de Pedro Sena Nunes
com Catarina Mourão, Pedro Sena Nunes, José Manuel Costa e Nuno Lisboa
Debate a partir do filme de Rahul Roy
com Rahul Roy e Catarina Alves Costa
Debate a partir do filme de Frederick Wiseman
com Frederick Wiseman, José Manuel Costa e Nuno Lisboa
Close reading com Frederick Wiseman
Debate a partir do filme de Keja Ho Kramer e Stephen Dwoskin
com Keja Ho Kramer, Nuno Lisboa e Ricardo Matos Cabo
Debate final
moderado por José Manuel Costa e Nuno Lisboa
Reflorescer…
Aurélien Gerbault
“Esta ideia de alguma coisa que nunca acaba agrada-me muito” – entrevista de Isabelle Regnier
“As pessoas são assim” – Julien Welter entrevista Pedro Costa
Juventude em Marcha: a magnificência doentia de Costa
Jacques Mandelbaum
Bravo Costa
Philippe Azoury e Olivier Seguret
Regresso de Cannes (e de bastão?) – mesa redonda com a redacção dos Cahiers du Cinéma
Emmanuel Burdeau, Jean-Michel Frodon, Hervé Aubron, Thierry Lounas, Cyril Neyrat, Charlotte Garson, Antoine Thirion e Stéphane Delorme
Camera Lucida
Nobuhiro Suwa
Ozu, um cineasta punk
Pedro Costa
Seminário na Escola de Cinema de Tóquio
Pedro Costa
Sobre À Flor da Pele
Catarina Mourão
Porque faz documentário?
Catarina Mourão
Um ponto de vista sobre o mundo é um ponto de vista sobre o cinema
José Manuel Costa e Nuno Lisboa
Porque faz documentário?
Pierre-Marie Goulet
Comentário ao elogio
Madalena Miranda
O continente Wiseman e High School II
José Manuel Costa
Três cineastas portugueses
Augusto M. Seabra
O olhar obsessivo
Roberto Chiesi
Elogio ao 1/2
Francisco Vaz Fernandes
As ficções do real segundo Wiseman
François Niney
Vídeo e a cidade…
Henning Engelke
Oh pai!
Keja Ho Kramer
O espaço comum
Nuno Lisboa
Sobre Robert Kramer: Fábrica do cinema
Um hino à morte segundo Wiseman
Olivier Joyard
“Fiz um pouco o papel de chefe da polícia! – Keja Ho Kramer entrevista Stephen Dwoskin
Belfast, Maine: uma cidade do Outono
Roberto Chiesi
A transmissão silenciosa
Ricardo Matos Cabo
O mundano e o sagrado
Peter Rainer
Um filme de sombras
Frederick Wiseman
“O retrato de uma mulher” – Nick Poppy entrevista Frederick Wiseman
Raízes
Luis Fonseca
9 ideias discutíveis a partir do filme À Flor da Pele
Pedro Rodrigues
Sombras da História assombram La Dernière Lettre
Wesley Morris
Catarina Mourão no IndieLisboa
Alexandra Prado Coelho
Última despedida
Peter Rainer
Sobre Elogio ao 1/2
Pedro Sena Nunes
Passar do documentário à ficção
Vincent Ostria
Fracções de índios em directo
Cinemateca Portuguesa
A montagem como uma conversa a quatro vozes (notas da montagem de Ballet, High School II e Zoo)
Frederick Wiseman
Porque faz documentário?
Pedro Sena Nunes
Rapidez de execução (a propósito de Public Housing)
Frederick Wiseman
Participantes
Adriana Bolito, Alberto Campos, Alejandro Campos Garcia, Ana Carrola, Ana Eliseu, Ana Rita Lopes Alves, Ana Sarasa, Anabela Moutinho, André Dias, André Godinho, Anna Recalde Miranda, Ansgar Rupert Schafer, António Miguel Clara do Carmo Gadanho, Aya Koretzky, Beatriz Casado Baides, Bruno Gonçalves, Bruno Manuel Varela, Bruno Moraes Cabral, Carlos Coelho, Carlos Eduardo Viana, Carlos Ruiz Carmona, Catarina Braga Simão, Catarina Faria, Catarina Martins Nunes, Catarina Rodrigues, Cátia Salgueiro Gomes, Cecília Dionísio, Clara Carvalho, Cláudia Oliveira, Cláudia Renata Oliveira Maia, Clémentine Mourão Ferreira, Constantino Martins, Cristiana Couceiro, Cristina Rajola, Daniel Serra Pereira, Davide Fasolo, Eloy Enciso Cachafeiro, Elsa, Aleluia da Costa, Elsa Sertório, Ezequiel Vasco Soares Silva, Fernando Carrilho, Francisco Leitão, François D’Artemare, Federico Tonozzi, Georgette Rodrigues, Gonçalo Tocha, Graça Lobo, Helena Lopes, Herlinde Dupont, Hiroatsu Suzuki, Hugo Maia, Inês Barros, Inês Oliveira, Igor Olszowski, Inês Sapeta Dias, Isabel Martins, Ivo Ferreira, Joana Chadwick, Joana Messias, Joana Neves, Joana Queirós, João Coimbra, João Janeiro Nogueira, João Miguel Ramalho Martins, João Miguel Rodrigues, João Patrício, João Pedro Barbeiro, João Pedro Duarte, João Pedro Fazenda, João Pedro Góis, João Pinto de Sousa, João Távora, Jorge Caballero Ramos, Jorge Manuel Costa Campos, José Carlos Abrantes, José Filipe Costa, José Manuel Quinta Ferreira, José Reis, Julie Freres, Júlio Ramos, Kathleen Gomes, Laia Ramos, Lorenzo Bertolotti, Lucia Montenegro Pico, Luís Filipe Silva, Luís Miguel Ribeiro Vaz, Luis Pimenta, Madalena Miranda, Manuel André Cristo António, Manuel Martins, Maria Alves, Maria Inês Martins, Maria João Mayer, Maria Remédio, Mariana Vinagre Liz, Marina Guiomar, Marina Vieira Sousa, Marta Casanovas, Marta Faustino, Marta Lima Parra, Martín Romén, Martina Manha Vintro, Micol Agrícola, Miguel Clara Vasconcelos, Miguel Coelho, Nádia Lopes Ruiz, Nádia Reuchacho Baptista, Nathalie Mansoux, Noemi Garcia Diaz, Nuno Monteiro, Olívia Maria Marques da Silva, Orlanda Machado de Azevedo, Patrícia Faria, Patricia Martin, Pedro Borges, Pedro Marques, Pedro Mateus Duarte, Pedro Miguel Matias, Pedro Prata, Pedro Ricardo Fidalgo, Pierre Da Silva, Renata Sancho, Ricardo Leal, Ricardo Oliveira Silva, Rita Campos Brás, Rodrigo Silva Candeias, Rui Bandeira Ramos, Rui Manuel Monteiro, Rui Xavier, Samantha Leroy, Sandra Ferreira, Sara Morais, Sarah Barnier, Sérgio Brás D’almeida, Sérgio Tréfaut, Sinisha Juricic, Sónia Ferreira, Susana de Sousa Dias, Susana Moreira Marques, Susana Nascimento, Tina Magazzini, Umme Salma
Direção e Programação
José Manuel Costa, em colaboração com Nuno Lisboa
Produção
Nina Ramos e Rita Forjaz
Fund Raising
Wanda Caio
Assessoria de Imprensa
Marisa Cardoso
Design Gráfico
Graça Castanheira e Hugo Baeta
Transporte de Filmes
Nina Ramos
Assessoria Técnica (vídeo)
António Medeiros
Apoio à Produção
Adriano Smaldone, Ana Nunes, Ana Almeida, Marta Carvalho, Vincent Degoul e Maria João Soares
Tradução Simultânea
Kevin Rose e Márcia de Brito
Legendagem Eletrónica
Teresa Borges
Projeção Película
António Soares, Nuno Canhita, Paulo Nogueira e Videovisão
Projeção Vídeo
Bazar do Vídeo
Fotógrafa
Marisa Cardoso
Motorista
Francesco Russo
Textos de Apoio
Joana Frazão (Coordenação), André Dias (Design gráfico), Patrícia Azevedo, Ana Eliseu, Susana Duarte, Joana Frazão, Inês Sapeta, Manuela Sousa Tavares (Edição e Tradução), Luís Fonseca, Nuno Lisboa, Ricardo Matos Cabo, Madalena Miranda e Pedro Rodrigues (Textos Originais)
Moderadores de Debates
Catarina Alves Costa, Kees Baker, Emmanuel Burdeau, José Manuel Costa, Teresa Garcia, Nuno Lisboa, Ricardo Matos Cabo, Serge Meurant e Cyril Neyral
Organização
Apordoc e Câmara Municipal de Serpa
Financiamento
Câmara Municipal de Serpa, Ministério da Cultura e Instituto do Cinema e do Audiovisual
Patrocínios
Fundação Calouste Gulbenkian, Região de Turismo da Planície Dourada, Accenture, Embaixada da Índia, Delta Cafés, Lufthansa, TNT, Galeria Vemos, Ouvimos & Lemos, SVS - Sociedade de Vinhos da Serpa, Restaurante Molhó Bico e Diário de Notícias
Parceiros
Fundação Europeia Joris Ivens e O Lírio Roxo - Associação Cultural
Aurélien Gerbault
Aurélien Gerbault nasceu em 1975. Depois de estudos em História de Arte e Cinema, dirigiu cursos de iniciação ao cinema numa organização sem fins lucrativos. Interessou-se na escrita e realização de documentários, tendo feito uma formação profissional em 16mm. O seu encontro com Pedro Costa e a originalidade da sua abordagem cinematográfica, inspiraram-no a escrever Tout refleurit, no qual trabalha desde 2003.
Filmes apresentados
Tout Refleurit, 2006, 80 min
Leituras
Reflorescer…, Aurélien Gerbault
Catarina Alves Costa
Filmes apresentados
Catarina Mourão
Filmes apresentados
À Flor da Pele, 2006, 60 min
Leituras
Catarina Mourão no IndieLisboa, Alexandra Prado Coelho
Porque faz documentário?, Catarina Mourão
Sobre À Flor da Pele, Catarina Mourão
Frederick Wiseman
Nasceu em Boston, em 1930. Realizou o seu primeiro filme, Titicut Follies, sobre uma instituição psiquiátrica para reclusos, em 1967, no auge do cinema directo. Em 30 anos de carreira cinematográfica, realizou cerca de um filme por ano, explorando instituições americanas.
Filmes apresentados
Belfast, Maine, 1999, 248 min
La Dernière Lettre, 2002, 61 min
Keja Ho Kramer
Keja Ho Kramer (1974, São Francisco), estudou artes plásticas, e é autora de várias obras de vídeo e exposições.
Filmes apresentados
I'll Be Your Eyes, You'll Be Mine, 2006, 47 min
Leonor Areal
Filmes apresentados
Pedro Costa
Naquela que poderia ser considerada a sua primeira incursão pelo documentário, Pedro Costa desmonta qualquer possibilidade de categorização. Após três longas-metragens realizadas entre 1989 e 1997, No Quarto da Vanda interrompe definitivamente a sistematização do processo de produção e põe em causa todas as noções que esse sistema informa sobre a relação do filme com o real.
Filmes apresentados
Juventude em Marcha, 2006, 115 min
Pedro Sena Nunes
Pedro Sena Nunes Lisboa, 1968. Em 1992 terminou o Curso Cinema na Escola Superior de Teatro e Cinema (ESTC). Actualmente é coordenador geral da área de Som e Imagem da Escola Profissional de Imagem e Comunicação (etic_).
Filmes apresentados
Elogio ao 1/2, 2006, 70 min
Leituras
Elogio ao 1/2, Francisco Vaz Fernandes
Comentário ao elogio, Madalena Miranda
Fracções de índios em directo, Cinemateca Portuguesa
Porque faz documentário?, Pedro Sena Nunes
Sobre Elogio ao 1/2, Pedro Sena Nunes
Três cineastas portugueses, Augusto M. Seabra
Pierre-Marie Goulet
Pierre-Marie Goulet, com várias curtas documentais realizadas até à data, apresenta em 2000 a sua primeira longa-metragem, Polifonias, uma homenagem a Michel Giacometti. É co-fundador da recém-criada associação Os Filhos de Lumière, vocacionada para a sensibilização ao cinema enquanto forma de expressão artística.
Filmes apresentados
Encontros, 2006, 105 min
Leituras
Porque faz documentário?, Pierre-Marie Goulet
Rahul Roy
Rahul Roy graduou-se em Produção de Cinema e Televisão pelo Mass Communication Research Centre Jamia Millia Islamia, em Nova Delhi, em 1987. Desde então tem trabalhado como realizador independente de documentários. The City Beautiful é o seu terceiro filme sobre a classe trabalhadora de Delhi.
Filmes apresentados
Sunder Nagri, 2003, 78 min
Leituras
Vídeo e a cidade…, Henning Engelke
Susana Nobre
Filmes apresentados