2019 Arcos de Valdevez
    Com a presença de
Floresta de Signos

Com a cabeça nas estrelas, envoltas em tecidos estampados coloridos, deambulemos pelas florestas em busca de territórios imaginários. Entre o céu e a terra, luz e trevas, memória e esquecimento, que cintilem as projeções e ressoem as palavras. Vamos abrir as janelas e deixar o vento entrar. Vamos mergulhar em águas intemporais refletindo as chamas vacilantes das nossas vidas multiplicadas. Vamos desbastar, cortar, cavar, tecer, desdobrar e desenhar mapas para nos perdermos, para melhor nos encontrarmos no mundo habitável do cinema.

1 Setembro, Domingo
Sessão #1, Noite
Berlin 10/90
1990, 64 min
Robert Kramer

“Em 1991, graças a uma bolsa, estive um tempo em Berlim. Queria trabalhar sobre a queda do Muro e sobre a reunificação que se seguiu. Mas os vestígios do Holocausto estavam constantemente a remeter-me ao coração da história. Aqueles lugares testemunharam o passado com uma violência que eu nunca tinha experimentado. A La Sept encomendou-me uma sequência de sessenta minutos para a série ‘Live’. Por quatro vezes tentei recuperar a conexão com o presente. Nada me convencia. Finalmente, conformei-me com uma opção minimalista. Estava na minha casa de banho, cujos azulejos me lembravam o centro de tortura, no espaço memorial em Berlim, a ‘Topografia dos terrores’, e, inconscientemente, retomei a conversa iniciada com O Nosso Nazi. ” (Robert Kramer, em “La fin de l’histoire”, Documentaires n ° 8, 1994)

Debate com Erika Kramer
2 Setembro, Segunda
Sessão #2, Manhã
Il a Plu Sur Le Grand Paysage
1981, 100 min
Jean-Jacques Andrien

Aqui, o gesto cinematográfico, ancorado num lugar singular, atinge o universal. Jean-Jacques Andrien retorna ao Nordeste da Bélgica para filmar em Herve, na região da Valónia, que faz fronteira com a Holanda e a Alemanha, onde, cerca de trinta anos antes, havia filmado Le Grand Paysage d’Alexis Droeven e Mémoires. Regressa a esta paisagem familiar e retoma uma interrogação recorrente no seu cinema, sobre a transmissão ou não-transmissão de terras agrícolas, desta vez num novo contexto. Num momento de reforma da Política Agrícola Comum, nomeadamente da abolição das quotas sobre o leite na União Europeia no âmbito da negociação do Tratado de Comércio Transatlântico, este filme, construído em torno de retratos sensíveis de agricultores, revela, dando-lhes voz e mostrando a sua luta pela sobrevivência, o mundo camponês de hoje, a sua cultura profundamente enraizada e o seu questionamento sobre o estado actual do mundo. – Jacques Lemière

Debate com Jean-Jacques Andrien
Sessão #3, Tarde
Lilly
2007, 7 min
Jodie Mack

Negativos de fotografia animados ilustram uma tragédia da Segunda Guerra Mundial.

Greetings From Free Forests
2018, 99 min
Ian Soroka

Numa deriva pela paisagem densamente florestada do sul da Eslovénia, Greetings From Free Forests, como uma névoa que se levanta, revela um refúgio de memória histórica embutida. O filme viaja com os testemunhos de caçadores, silvicultores, espeleólogos e forrageiros locais, entre outros – orbitando em torno de uma ausência deixada por uma luta radical após a sua concretização e em desaparecimento desde então. Durante a Segunda Guerra Mundial, esta floresta serviu de santuário para a Frente de Libertação Partidária, que resistia à ocupação fascista da Jugoslávia. Resquícios desse evento ainda podem ser encontrados por toda a floresta em vários estados de decomposição, mas também dentro de imagens que tentaram preservar a energia emancipatória da revolução para as gerações futuras – imagens agora armazenadas num arquivo subterrâneo, enterrado na própria floresta -, retratando a violência e a esperança que veio com a mudança radical.

Debate com Jodie Mack e Ian Soroka
Sessão #4, Noite
Cavalcade
2017, 5 min
Johann Lurf

Cada vez que o fluxo do filme é interrompido para gravar uma imagem, a luz estroboscópica parece congelar o movimento da roda d’água – libertando os seus padrões de movimento e criando uma ilusão de movimento reverso e paralisação – contradizendo sua velocidade real. A nossa percepção é enganada em dois aspectos em simultâneo: a ilusão da imagem em movimento é criada na câmara, enquanto a ilusão de paralisação é reforçada pelo ritmo estroboscópio nos padrões da roda d’água.

Terra
2018, 60 min
Hiroatsu Suzuki e Rossana Torres

Algures no Alentejo existem dois grandes fornos de terra onde um homem faz carvão. Os elementos essenciais do fogo, água, ar, terra e espaço refletem, respiram e celebram o ritmo da Terra.

Archivo Pittoresco
(performance musical)
Lula Pena

Archivo Pittoresco é um mapa-repertório de canções entrelaçadas como um lamento multilíngue, tocado em uma técnica de guitarra percussiva muito pessoal e que transcende categorias musicais. Cada concerto, de uma só canção, explora caminhos diferentes dentro de uma constelação de fragmentos.

Debate com Johann Lurf, Lula Pena, Hiroatsu Suzuki e Rossana Torres
3 Setembro, Terça
Sessão #5, Manhã
Vertigo Rush
2007, 19 min
Johann Lurf

Um exame crítico do efeito especial do dolly zoom – usado pela primeira vez por Hitchcock, em Vertigo –, Vertigo Rush revela-se uma declaração de amor ao cinema e à riqueza da linguagem cinematográfica. Usado como um meio extremamente eficaz para criar choque em vários filmes (Jaws, Goodfellas), aqui o foco de 20 minutos de experimentação é a sensação de rotação e oscilação (vertigem).

Drvo
2018, 104 min
André Gil Mata

Um homem, uma criança, duas guerras, um rio, uma árvore. Um homem e uma criança encontram-se na margem de um rio, compartilhando a mesma memória e um segredo. Encontram um no outro a serenidade, o silêncio e o tempo que perderam na corrente do rio.

Debate com Johann Lurf e André Gil Mata
Sessão #6, Tarde
Off Frame Aka Revolution Until Victory
2016, 62 min
Mohanad Yaqubi

Off Frame AKA Revolution Until Victory, é uma meditação sobre a luta do povo palestino na produção de uma imagem e de uma auto-representação nas décadas de 1960 e 1970, com o estabelecimento da Unidade de Cinema da Palestina como parte da OLP. Desenterrando filmes armazenados em arquivos de todo o mundo, após uma pesquisa e acesso sem precedentes, o filme começa com representações populares da Palestina moderna e traça as obras de cineastas militantes na recuperação da imagem e da narrativa por meio do cinema revolucionário e militante. Ao ressuscitar uma memória esquecida da luta, Off Frame reanima o que está dentro do enquadramento, mas também tece uma reflexão crítica procurando o que foi deixado de fora ou que está fora de enquadramento.

Debate com Mohanad Yaqubi
Sessão #7, Noite
La Libertad
2017, 29 min
Laura Huertas Millán

Nos tecidos dos Navarro, animais, objectos e espaços são representados. Os seus tecidos são confeccionados em teares de cintura, uma técnica pré-hispânica preservada por mulheres indígenas há séculos. Por meio dos têxteis, as mulheres construíram os arquivos de uma história paralela das relações transculturais do México, de mestiçagem, colonialismo e modernidade. Ecoando a política e a ética representadas nos objetos que tecem, os Navarro construíram uma micro sociedade ecológica e familiar, conquistando a sua independência e liberdade.

The Grand Bizarre
2018, 61 min
Jodie Mack

Um cartão postal de uma sociedade implodida. Animando objectos mundanos para interpretar o lugar por meio de materiais, The Grand Bizarre transcreve uma experiência de padrão, trabalho e alienação. Um desfile de padrões sobre música pop junta figura e paisagem numa viagem pelas topologias da codificação. Seguindo componentes, sistemas e amostras numa colagem de têxteis, turismo, linguagem e música, o filme investiga motivos recorrentes e as suas metamorfoses em funcionamento dentro de uma economia global.

Debate com Laura Huertas Millán e Jodie Mack
4 Setembro, Quarta
Sessão #8, Manhã
Nevada: Of Landscape and Longing
2011, 15 min
Ian Soroka

Nevada: Of Landscape and Longing é uma reminiscência de uma viagem pelo estado desértico de Nevada no verão de 2009. É um encontro com o estado como duas faces distintas de uma moeda americana, tanto rural quanto urbana, vivendo o recente colapso económico e ansiando por um passado abstrato.

Cordão Verde
2009, 33 min
Hiroatsu Suzuki e Rossana Torres

Um poema em imagem e som entre o Homem e a Natureza.

Le Grand Paysage D'Alexis Droeven
1981, 88 min
Jean-Jacques Andrien

Bélgica do leste. O distrito de Fourons, local de um conflito linguístico acirrado. O mundo da agricultura em mudança – industrializa-te ou abandona a prática, adapta-te às normas da CEE ou fica de lado – fornece o pano de fundo histórico do filme. A história emocional é igualmente dramática, em torno da morte do pai. Estes trágicos acontecimentos afetam no mesmo momento a vida de um jovem agricultor. Assumirá as responsabilidades agrícolas do seu pai ou fará caminho para a cidade; criará uma vida nova para si mesmo longe de todos os problemas e conflitos, ou deixará para trás a morte e a grande paisagem de Alexis, como sugere a sua tia, uma advogada de Liège?

Debate com Ian Soroka, Jean-Jacques Andrien, Hiroatsu Suzuki e Rossana Torres
Sessão #9, Tarde
Jeny303
2018, 6 min
Laura Huertas Millán

Nascido de um ‘risco objetivo’ (um rolo de 16 mm em que dois assuntos diferentes foram impressos por engano), Jeny303 é uma obra composta pelo entrelaçar de dois retratos. Por um lado, há Jeny, o alter ego feminino de uma millennial transgénero que está a lidar com o vício da heroína. Por outro lado, está o edifício 303, um ícone da arquitetura modernista numa universidade pública de Bogotá (Colômbia). As imagens do corpo e do edifício entrelaçam-se e retratam Jeny303, uma personagem no limiar de uma transformação por vir.

Sol Negro
2016, 42 min
Laura Huertas Millán

Antonia é uma cantora lírica de beleza incomum, exuberante e sombria. Recuperando de uma tentativa de suicídio numa instituição de reabilitação, todos os seus laços familiares foram irreparavelmente quebrados. Mas a irmã continua profundamente afetada pelo ocorrido … Uma (auto) ficção que mescla etnografia, cinema musical e reencenação, desenhando o retrato de uma artista que regressa do submundo.

Kako Sam Se Zaljubio U Eva Ras
2016, 74 min
André Gil Mata

Um dia na vida de Sena, que mora numa cabine de projeção de cinema em Sarajevo, exibindo os poucos filmes jugoslavos dos quais ainda restam cópias, levando-nos numa viagem pelo seu passado.

Debate com Laura Huertas Millán e André Gil Mata
Sessão #10, Noite
2017, 102 min
Johann Lurf

Um filme sem respostas, mas com tantas perguntas quanto há estrelas no universo, o estruturalista austríaco Johann Lurf escolheu um tema audacioso e em expansão contínua para a sua estreia na longa-metragem: as estrelas do cinema. Não as estrelas de cinema, mas as estrelas no céu nocturno, pontinhos de luz contra a escuridão extraídos de filmes que começam na madrugada do cinema e continuam até os dias actuais num projeto que está planeado para ser expandido anualmente. Estes exemplos estelares, separados do contexto com o som intacto – zumbidos ambientais, grandes partituras orquestrais, explicações pedantes, especulações oníricas – são campos mágicos de escuridão salpicados de possibilidades. A edição jazzy de Lurf, equilibrando concentração tranquila e inquietação nervosa com base na sua metodologia que mantém a duração, imagem e som original de cada excerto, lança o público numa jornada pelos tons de promessa e ameaça que emanam do cosmos. Um objecto difícil, senão impossível de fotografar com precisão em filme, somos, portanto, repetidamente recebidos por interpretações variadas da noite estrelada por artistas foscos e feiticeiros de efeitos especiais, olhando, ora em silêncio, ora em movimento, através ou para dentro do espaço, para incandescentes nebulosas, pontos cintilantes distantes, e para o vazio negro entre eles. Examinando a história da fixação e fuga do cinema pelo espaço sideral, encontramos tanto aquilo que o público da sua época via lá em cima, como espelhos do nosso próprio fascínio: espanto, terror, esperança, confiança arrogante, anseio melancólico e vazio, silêncio incrível. São os raros momentos em que o público do cinema, de costas para o projetor, de facto se depara com a luz projetada sobre eles: os nossos olhos são as telas de cinema das estrelas. (Daniel Kasman)

Conversa com Johann Lurf e Jodie Mack
5 Setembro, Quinta
Sessão #11, Manhã
Motion's Not Dead
(masterclass)
Jodie Mack

Uma breve apresentação de alguns dos temas centrais que percorrem um corpo de trabalho com cerca de trinta filmes: a relação entre personagem e animação experimental; as fronteiras entre arte, artesanato e mercadoria; e a posição da animação dentro de uma prática documental.

The Tokyo Reels: Politics of Solidarity
(WIP), 2019
Mohanad Yaqubi

The Tokyo Reels é um projeto multifacetado e colaborativo que envolve a pesquisa em torno da colecção de filmes e cartazes que foram mantidos no escritório de representação da OLP em Tóquio. A missão do projeto é explorar a produção de imagens e narrativas no quadro da solidariedade internacional entre o Japão e a Palestina nas décadas de 1960, 1970 e 1980.

Sessão #12, Tarde
Route One/USA
1989, 255 min
Robert Kramer

“A Rota nº1 liga o Canadá a Key West, na Flórida. Em 1936, era a rota mais percorrida do mundo. Em 1988, corre ao lado de auto-estradas e passa por subúrbios, rompendo os velhos sonhos do país. Durante cinco meses filmando nesse percurso, não tive a impressão de estar a filmar o passado, mas sim de revelar o presente. Nas sombras dos intercâmbios, os centros das cidades, de vidro e aço, destacam-se no horizonte como placas cenografias de estúdio. Estávamos no presente, afrontando tempos difíceis.” – Robert Kramer

Sessão #13, Noite
Trilho
2019, 17 min
Miguel C. Tavares

Trilho é um registo de sensações que pretende captar a essência e a amplitude do Desencaminharte 2018, acompanhando a construção de dez projetos diferentes no Alto Minho, ao longo de vários meses. Nesta narrativa, o território é o ponto de partida para uma análise poética da arte, da paisagem e da memória.

Aequador
2012, 19 min
Laura Huertas Millán

Um diário de viagem rio Amazonas acima, onde construções modernistas foram abandonadas como as memórias de uma civilização do futuro engolfada. Um documentário de ficção-científica que evoca a colonização, antigas utopias nas florestas latino-americanas e a sua convivência com o presente.

Arca D'água
2009, 22 min
André Gil Mata

Num lago cercado por edifícios altos, um homem constrói um barco. O sonho de uma viagem impossível para escapar as memórias de um passado eterno.

Debate com Laura Huertas Millán e André Gil Mata
6 Setembro, Sexta
Sessão #14, Manhã
Nostalgia
2012, 15 min
Ian Soroka

Combinando o áudio de filmes amadores com imagens mudas do quotidiano, Nostalgia cria um espaço cinematográfico entre a memória, os objectos pessoais e a perda. A obra diz respeito a algo fundamentalmente humano dentro da esfera pessoal, uma experiência construída a partir de uma colcha de retalhos de memórias, que busca o conforto de um passado idealizado.

O Sabor do Leite Creme
2012, 74 min
Hiroatsu Suzuki e Rossana Torres

Duas irmãs idosas moram numa casa velha situada em frente à escola onde costumavam dar aulas. Os seus cuidados e atenção são compartilhados entre a casa e o jardim. O seu quotidiano, sereno e tranquilo, é repleto de memórias e pequenas tarefas. Enquanto o jardim revela o passar do tempo, a casa parece viver com luz trémula e respiração hesitante. A doença chega, sem outro aviso que não a própria idade.

Debate com Ian Soroka, Rossana Torres e Hiroatsu Suzuki
Debate com Erika Kramer
Debate com Jean-Jacques Andrien
Debate com Jodie Mack e Ian Soroka
Debate com Johann Lurf, Lula Pena, Hiroatsu Suzuki e Rossana Torres
Debate com Johann Lurf e André Gil Mata
Debate com Mohanad Yaqubi
Debate com Laura Huertas Millán e Jodie Mack

 

Debate com Ian Soroka, Jean-Jacques Andrien, Hiroatsu Suzuki e Rossana Torres
Debate com Laura Huertas Millán e André Gil Mata
Conversa com Johann Lurf e Jodie Mack
Debate com Laura Huertas Millán e André Gil Mata
Debate com Ian Soroka, Rossana Torres e Hiroatsu Suzuki
Apprendre
Gilles Deleuze
Archéologie, Ça Fait Penser
Michel Foucault
At The Instigation
Philippe Descola
Both Sides
Arthur Miller
But What a Spiral
Gaston Bachelard
Can We Feel
Jodie Mack
Carnet Du Bois
Francis Ponge
Ce Que J’Aime
Manoel de Oliveira
Cena 16
André Gil Mata
Ces Mots
Gilles Chamerois
Chamar
Lula Pena
Cher Robert
Paul McIsaac
Chinawaren
Walter Benjamin
According to The Present
Albert Bruce
Classification of Embroidery
Rozsika Parker
After Emigrating
Hironobu Baba
Animism
Jodie Mack
Constellational Filmmaking
Alexander Kluge
I Am Not Going
Jean Baudrillard
Contre-Estampes
Victor Segalen
I Looked at The Three Trees
Marcel Proust
Creation of Colonial Reality
Michael Taussig
I Saw The Pines
Srečko Kosovel
Dawn
Laura Huertas Millán
I Was Studying
Johann Lurf
Dear Mohanad
Stoffel Debuysere
Ici, Nous Trouvons
Eugène Minkowski
Degree
Theodor W. Adorno
Identification
Edward W. Said
Etymology of Revolt
Julia Kristeva
If Anything More
W. G. Sebald
Every Idea
Siegfried Kracauer
Imperial Landscape
W.J.T. Mitchell
Folha 46-D Mertola
In a Letter
Giorgio Agamben
For Many Years
Rebecca Solnit
In Certain Circumstances
Eva Švankmajerová
Forêt
Giorgio Agamben
Frau Im Mond
Alejandro Bachmann
Frontiers
Henri David Thoreau
Fundamental to The Power
Michael Taussig
Color Is Something
Walter Benjamin
Haiku
Roland Barthes
Concept of The Real
Alexander Kluge & Oskar Negt
Hunter-Gatherer
Vilém Flusser
J’ai Commencé à Imaginer
Marguerite Duras
Je Me Nomme
Frank Venaille
Kino
André Gil Mata
L’Imagination
Karl Kraus
Leave and Leave
Gertrude Stein
Leaves
Emanuele Coccia
Les Paysages – Si Beaux
Jean-Baptise Para
Let Us Not Begin
Jacques Derrida
Ma Campagne
Cesare Pavese
Maghni Aldam
Mahmoud Darwich
In The Day of Cock-A-Doodle
Siegfried Kracauer
Marxist Analysis
Giorgio Agamben
Indeed, The Images
Gaston Bachelard
Mas Também
Serge Daney
Indians
Gilles Deleuze & Elias Sanbar
Melancholy
Giorgio Agamben
Inner Space
Walter Benjamin
Method
Walter Benjamin
It’s Not That
Walter Benjamin
Meu Lírio Roxo do Campo
J’Entends par Écriture
Jean-Jacques Andrien
Mine
Lewis Mumford
Most Commonly Represented
Laura Huertas Millán
Roots
Emanuele Coccia
Museums
Carlo Ginzburg
Runa Puma
Eduardo Kohn
Nature Produces
Walter Benjamin
Salut
Stéphane Mallarmé
Nekoč
Unknown Partisan named Iztok
Sarajevo
André Gil Mata
No Final
Bernard Eisenschnitz
Sensivelmente
Carlos Natálio
Open a Travel Guide
Roland Barthes
Orchidée
Gilles Deleuze & Félix Guattari
Our Book Proposes
Eduardo Viveiros de Castro
Our First Film
Daisuke AKASAKA
Our Speech
Erika Balsom
Perhaps Understatement
Aperture Magazine
Phenomenology of Roundness
Gaston Bachelard
Plaisir
Agnès Wildenstein
Quand L’Ombre
Stéphane Mallarmé
Quelque Part En
Jean-Luc Godard
Reality Is More
Trinh T. Minh-Ha
Think For a Moment
Ariella Azoulay
This Cosmic Vertigo
Laura Huertas Millán
Those Who Here
Živojin Pavlović
Thought of All Those Women
Virginia Woolf
Three American Beauties
Alejandro Bachmann
Siehe, Die Bäume
Rainer Maria Rilke
Time of Our Liberation Struggle
Matej Bor
Signs Resemble Images
Claude Lévi-Strauss
Tired of All
David Abram
Sky Map
Tissage
Harun Farocki
Snowy Houses
Adam Cook
Today The Site
Michel Foucault
Song of The Open Road
Walt Whitman
Travelling Outgrows
Sovereign and Soul
W. G. Sebald
Trilogie
Jacques Lemière
Sprache
Walter Benjamin
Trop D’Espace
Jules Supervielle
Strassen Im Westen Berlins
Siegfried Kracauer
Subject
Robert Kramer
Teaching of The Priests
Max Horkheimer & Theodor W. Adorno
There Are Two Ways
Rosalind E. Krauss
Was Habe Ich Erwartet
Unica Zürn
We Must Do
Georges Didi-Huberman
We Were No Longer
Walter Benjamin
What Benjamin Advocated
Michael Taussig
What May Appear
Robert Beavers
With Every Archive
Ian Soroka
Yagé Nights Challenge
Michael Taussig
Yielding to
Michael Taussig
Your Film
Leo Goldsmith com Jodie Mack
True to Materials
Lula Pena
Un Soir Tranquillement
Eugène Minkowski
Univers Tout Entier
Louis-Auguste Blanqui
Verbo A-Terrar
Rita Natálio
Participantes
Agnès Wildenstein, Amarante Abramovici, Ana Sousa e Silva, Ana Teresa Ascensão, André Gil Mata, Andrea Brandão, Andrés Fernández-Albalat, Andrew Freeman, Andrew Siedenburg, Anya Tsyrlina, Carlos Campos, Catarina Mourão, César Pedro, Cláudia Ribeiro, Corinna Lawrenz, Daniel Ribas, Dario Oliveira, Dasha Birukova, Diogo Pereira, Diogo Silva, Elena Nardelli, Elias Ortigosa, Elizabeth Dexter, Erika Kramer, Estelle Nabeyrat, Evelyn Yin, Filipa César, Filipa Falcão, Francisco S. Ferreira, Francisco Vaz, Gaëlle Boucand, Garbiñe Ortega, Gonçalo Silva, Grazie Pacheco, Grégory Castéra, Helena Vaz da Silva, Hiroatsu Suzuki, Ian Soroka, Inês Oliveira, Isabel Alves, Ismail Aydin, Jacques Lemière, Jean-Jacques Andrien, Joana Lourenço, João Pedro Amorim, João Ricardo Oliveira, Jodie Mack, Johann Lurf, Lana Almeida, Laura Huertas Millán, Lea Vajda, Louise Farge, Lucas de Lima Silva, Lucas Tavares, Luis Arias Gutierrez, Luis Gonçalves, Lula Pena, Magdalena Kielbiowska, Mansour Aziz, Margarida Mendes, Margaux Dauby, Mariana Santana, Marie Anne Guérin, Marta Lança, Melissa Ferrari, Mohanad Yaqubi, Nuno Lisboa, Nuno Morão, Patricia Black, Paula Miranda, Pep Salvador, Pedro Cunha, Pierre Carniaux, Regina Guimarães, Rita Barbosa, Rita Natálio, Rocio Mesa, Rossana Torres, Rui Teigão, Saguenail, Samuel Mountford, Sara Morais, Sofia Mourato, Stefanie Baumann, Susana Nascimento, Takashi Sugimoto, Thibault Solinhac, Toni Hildebrandt, Valentina Pelayo, Vanessa Duarte, Vanja Munjin, Vasco Trabulo Bäuerle, Vasco Costa, Vittorio Lubrano, Zena Bseiso
Participantes Dear Doc
Claudia Ribeiro, Dasha Burikova, Diogo Pereira, Diogo Silva, Gonçalo Silva, Grazie Pacheco, Ismail Aydin, Lea Vajda, Mariana Santana, Patrícia Black, Vanessa Duarte, Vanja Milena, Vasco Bauerle, Vittorio Lubrano (Bolsas com o apoio do Programa Gulbenkian de Língua e Cultura Portuguesas), Andrew Freeman, Andrew Siedenburg, Evelyn Yin, Luis Arias Gutierrez, Melissa Ferrari (CalArts Fellows)
Direção e Programação
Nuno Lisboa
Programadora Convidada
Agnès Wildenstein
Produção
Francisco S. Ferreira e Margaux Dauby
Assistência de Produção
Filipa Falcão and Luís Goncalves
Direção Técnica
César Pedro
Som
Nuno Morão e Sara Morais
Tradução Simultânea
Amarante Abramovici
Organização Textos de apoio
Margaux Dauby, Susana Nascimento Duarte e Stefanie Baumann
Desenho
Ana Eliseu
Webdesign
Joana Frazão
Fotografia
Magdalena Kielbiowska
Assessoria de Imprensa
João Ricardo Oliveira
Produção Casa das Artes Arcos de Valdevez
Pedro Cunha
Administração Apordoc
Glenda Balucani
Organização
Apordoc
Co-produção
Município de Arcos de Valdevez
Financiamento
Ministério da Cultura, Instituto do Cinema e do Audiovisual e Fundação Calouste Gulbenkian
Parceiros
Casa das Artes de Arcos de Valdevez, Centro Paroquial de Arcos de Valdevez, Hotel Costa do Vez, Luna Arcos Hotel, Restaurante A Floresta, Restaurante Caneiros, Restaurante O Pote e Vinhos de Arcos de Valdevez
André Gil Mata
Nascido em 1978, em São João da Madeira, estudou matemática e trabalhou em fotografia e teatro antes de iniciar a sua carreira como realizador. Desde 2001 e até 2008 colaborou com o Festival de Cinema Luso-Brasileiro de Santa Maria da Feira como curador. Fundou o laboratório independente de fotografia e cinema Átomo 47. Foi também fundador da produtora Bando À Parte. A sua estreia na realização, a curta-metragem Arca d'Água (2009), foi exibida em vários festivais intercionais tendo arrecadado vários prémios. Em 2010, foi seleccionado para o Campus de Talentos da Berlinale. casa (2010), a sua segunda curta-metragem, foi exibida no Indie Lisboa e no Festival de Cienma Luso-Brasileiro de Santa Maria da Feira. Cativeiro (2012), a sua primeira longa documental, foi premiada no DocLisboa, recebendo ainda o prémio DocAlliance. O Coveiro (2013), a sua terceira curta-metragem, recebeu o prémio Mèlies d'Argent. Como me Apaixonei por Eva Ras (2016), a sua primeira longa-metragem de ficção, teve estreia no Fid Marseille, onde recebeu uma Menção Especial do Júri da Competição Internacional, e foi exibida em inúmeros festivais, entre os quais a Viennale, Mar del Plata, Roterdão, Jeonju e o festival First Look do Museu da Imagem em Movimento em Nova Iorque. Em 2017, a sua curta-metragem Num Globo de Neve foi premiada no festival Indie Lisboa. O seu mais recente filme, Árvore (2018), teve a sua estreia mundial na 68ª Berlinale, na secção Fórum.
Filmes apresentados
Drvo, 2018, 104 min
Kako Sam Se Zaljubio U Eva Ras, 2016, 74 min
Arca D'água, 2009, 22 min
Leituras
Cena 16, André Gil Mata
Kino, André Gil Mata
Sarajevo, André Gil Mata
Snowy Houses, Adam Cook
Hiroatsu Suzuki e Rossana Torres
Hiroatsu Suzuku é um cineasta e artista visual autodidata. Desde cedo visitava regularmente o Museu de Kyoto e frequentava o clube de cinema local, onde viu muitos filmes clássicos japoneses e internacionais. Após algumas experiências em produções cinematográficas independentes, mudou-se para Okinawa, onde se interessou pela fotografia de paisagens rurais. Viajou para a Europa para desenvolver a sua prática visual e artística por meio da fotografia e visualização de filmes. Depois de ver alguns filmes portugueses, decidiu vir a Portugal e descobrir mais sobre o cinema português. Conheceu Rossana Torres e começou a rodar na região de Mértola, co-dirigindo o seu primeiro filme, Cordão Verde, que foi exibido em Locarno, Toronto, e na Viennale, entre outros festivais. Rossana Torres nasceu na Roménia, enquanto seus pais estavam em exílio político. Regressou a Portugal ainda criança para viver com os avós perto de Tondela, e mais tarde mudou-se para Lisboa para estudar artes visuais e cinema. Durante alguns anos, trabalhou em montagem com diversos cineastas portugueses. Em 1994, muda-se para Mértola, onde dá aulas de fotografia e vídeo e lidera workshops de cinema e animação para crianças e jovens. Nos últimos anos, tem colaborado com a associação Os Filhos de Lumière, no desenvolvimento e implementação de programas de educação artística através do cinema. Fundou a associação Entre Imagem para a produção de filmes e para projetos culturais e educacionais. Co-dirigiu três filmes com Hiroatsu Suzuki. Terra ganhou o Prémio de Melhor Filme Português, no Doclisboa’18.
Filmes apresentados
Terra, 2018, 60 min
Cordão Verde, 2009, 33 min
O Sabor do Leite Creme, 2012, 74 min
Leituras
Our First Film, Daisuke AKASAKA
Sensivelmente, Carlos Natálio
Ian Soroka
Ian Soroka (nascido em 1987) trabalha sobre formatos de não-ficção em filme e video. Estudou cinema e filosofia na Universidade do Colorado, em Boulder, e em Praga, na FAMU, e fez um mestrado em Arte, Cultura e Tecnologia no MIT. Ian é recipiente da bolsa MacDowell Colony, recebeu o prémio Princess Grace Foundation-USA e é bolseiro da Fulbright na Eslovénia, onde foi investigador convidado do Arquivo Nacional de Filmes da Eslovénia e da Cinemateca. O seu trabalho foi exibido internacionalmente em festivais, galerias e museus, incluindo: DocLisboa, Art of The Real, Dok.Fest München, BelDocs, Rencontres Internationales e Kinoteka, Ljubljana. Ian é da região oeste do estado do Colorado e mora em São Francisco Bay area.
Filmes apresentados
Greetings From Free Forests, 2018, 99 min
Nevada: Of Landscape and Longing, 2011, 15 min
Nostalgia, 2012, 15 min
Leituras
Both Sides, Arthur Miller
Every Idea, Siegfried Kracauer
I Saw The Pines, Srečko Kosovel
Mine, Lewis Mumford
Nature Produces, Walter Benjamin
Perhaps Understatement, Aperture Magazine
Those Who Here, Živojin Pavlović
We Must Do, Georges Didi-Huberman
What May Appear, Robert Beavers
With Every Archive, Ian Soroka
Jean-Jacques Andrien
Depois de concluir os estudos em cinema no INSAS, em Bruxelas, Jean-Jacques Andrien dirigiu várias curtas-metragens, algumas delas exibidos no Festival de Cannes. A sua primeira longa-metragem, Le fils d’Amr est mort!, ganhou o Grande Prémio de Locarno, em 1975. O seu segundo filme, Le grand paysage d'Alexis Droeven (1981), um filme dramático e poético, com Nicole Garcia e Jerzy Radziwilowicz nos papéis principais, retrata um jovem agricultor numa encruzilhada. Jean-Jacques Andrien regressa às mesmas questões trinta anos depois, no seu documentário Il a plu sur le grand paysage (2012). Realizou também Mémoires, em 1984, e Australia, estreando Fanny Ardant e Jeremy Irons, em 1988. Desde então, tem vindo a trabalhar num projeto onde prepara o seu regresso à Austrália para filmar Le Silence d'Alexandre, junto da comunidade aborígine do deserto de Tanami . O cinema de Jean-Jacques Andrien é construído a partir de longos períodos de imersão nos lugares onde deseja filmar.
Filmes apresentados
Il a Plu Sur Le Grand Paysage, 1981, 100 min
Le Grand Paysage D'Alexis Droeven, 1981, 88 min
Leituras
J’Entends par Écriture, Jean-Jacques Andrien
Je Me Nomme, Frank Venaille
Les Paysages – Si Beaux, Jean-Baptise Para
Ma Campagne, Cesare Pavese
Trilogie, Jacques Lemière
Jodie Mack
Jodie Mack é uma realizador de animação experimental, com um mestrado em filme, vídeo e novas medias na School of the Art Institute of Chicago, concluído em 2007. Combinando as técnicas e estruturas formais da animação abstrata/absoluta com as dos géneros cinematográficos clássicos, os seus filmes artesanais usam a colagem para explorar a relação entre o cinema gráfico e a narrativa, a tensão entre forma e significado. Documentário musical ou arquivo estroboscópico: os seus filmes estudam materiais domésticos e reciclados para revelar os elementos compartilhados entre a abstração das belas artes e a produção em massa do design gráfico. As suas obras libertam a energia cinética de objetos esquecidos e desperdiçados e questionam o papel da decoração na vida quotidiana. Os filmes de 16 mm de Mack foram exibidos numa variedade de locais, incluindo o Festival de Cinema de Ann Arbor, o Festival Internacional de Cinema de Edimburgo, o Images Festival, a secção Projections no Festival de Cinema de Nova York e a Viennale. Apresentou programas solo no 25FPS Festival, na Anthology Film Archives, no BFI London Film Festival, no Harvard Film Archive, na National Gallery of Art, na REDCAT, no International Film Festival Rotterdam, na Shenzhen Independent Animation Biennale e no Wexner Center for the Arts, entre outros. O seu trabalho fez parte de publicações como a Artforum, a Cinema Scope, o New York Times e o Senses of Cinema. É professora associada de animação no Dartmouth College e bolseira do ano lectivo 2018/2019 no Centro de Estudos de Cinema da Universidade de Harvard.
Filmes apresentados
Lilly, 2007, 7 min
The Grand Bizarre, 2018, 61 min
Motion's Not Dead, (masterclass)
Leituras
Animism, Jodie Mack
Can We Feel, Jodie Mack
Your Film, Leo Goldsmith com Jodie Mack
Johann Lurf
Johann Lurf é um artista e cineasta que usa a imagem em movimento para analisar e re-estruturar o espaço e o cinema. A sua prática inclui filmes observacionais e documentais, sobretudo no campo do cinema estruturalista, numa aproximação à imagem de arquivo orientada pela própria linguagem fílmica. Nascido em 1982, em Viena, Johann Lurf estudou na Academia de Belas Artes de Viena e fez um semestre em Erasmus na Slade School of Art em Londres, em 2008. Formou-se na turma de cinema de Harun Farocki, em 2009. Recebeu a Bolsa do Estado Austríaco para Video and Media Art e participou nos programas Artist-in-Residence no MAK Center for Arts and Architecture em Los Angeles 2011, no SAIC Chicago 2015, e em Tóquio e Roterdão 2016, bem como em Israel, em 2019. No mesmo ano, recebeu a bolsa de estudos de Berlim da Akademie of Arts Berlin. O seu trabalho é reconhecido com prémios e exibido em inúmeras exposições, cinematecas e festivais.
Filmes apresentados
Cavalcade, 2017, 5 min
Vertigo Rush, 2007, 19 min
, 2017, 102 min
Leituras
Frau Im Mond, Alejandro Bachmann
I Was Studying, Johann Lurf
This Cosmic Vertigo, Laura Huertas Millán
Three American Beauties, Alejandro Bachmann
Laura Huertas Millán
Laura Huertas Millán é uma artista e cineasta franco-colombiana. Graduada pela Beaux-Arts de Paris e Le Fresnoy, é doutorada em artes visuais com um projecto desenvolvido entre a PSL University (programa SACRe) e o Sensory Ethnography Lab (Harvard University). Os seus filmes Journey To A Land Otherwise Known (2012) e Aequador (2011) fizeram parte de uma série sobre o exotismo, onde história política, ecologia e ficção científica se entrelaçam. Estas obras foram exibidas principalmente em eventos e espaços de arte (Guggenheim NY, Videobrasil, Bienal de la Imagen en Movimiento, Centre Pompidou, Palais de Tokyo, FRONT Triennial…). Em 2012, iniciou uma série sobre 'ficções etnográficas', formas hifenizadas entre a antropologia visual e o documentário experimental. Sol Negro (2016), La Libertad (2016), Jeny303 (2018) e The Labyrinth (2018) são as obras principais desta série. Premiados no Festival de Cinema de Locarno, FIDMarseille, Doclisboa, Festival de Cinema Fronteira e MIDBO (Colômbia), estes filmes fizeram também parte das seleções oficiais do Festival de Cinema de Toronto, do Festival de Cinema de Nova York, do Cinéma du Réel, Torino, FICUNAM, La Habana, entre outros. O seu trabalho foi apresentado em programas especiais no TIFF Lightbox, no Flaherty Seminar, no ICA de Londres e no SAIC de Chicago.
Filmes apresentados
La Libertad, 2017, 29 min
Jeny303, 2018, 6 min
Sol Negro, 2016, 42 min
Aequador, 2012, 19 min
Leituras
Dawn, Laura Huertas Millán
Most Commonly Represented, Laura Huertas Millán
Our Book Proposes, Eduardo Viveiros de Castro
Our Speech, Erika Balsom
Reality Is More, Trinh T. Minh-Ha
Runa Puma, Eduardo Kohn
This Cosmic Vertigo, Laura Huertas Millán
Tired of All, David Abram
Lula Pena
Filmes apresentados
Archivo Pittoresco, (performance musical)
Leituras
Chamar, Lula Pena
Mohanad Yaqubi
Mohanad Yaqubi é cineasta, produtor e um dos fundadores da produtora de Ramallah, Idioms Film. Yaqubi também é um dos fundadores do coletivo de pesquisa e curadoria Subversive Films, que se concentra em práticas cinematográficas militantes e, mais recentemente, é investigador da Royal Academy of Fine Arts (KASK) em Gent, na Bélgica. Enquanto produtor, a filmografia de Yaqubi inclui o documentário Infiltrators (Khaled Jarrar, 2013), Suspended Time (vários realizadores, 2013) e a curta narrativa Pink Bullet (Ramzi Hazboun, 2014), várias co-produções, incluindo a longa-metragem Habibi (dir. Susan Youssef, 2010), a curta Though I Know the River is Dry (dir. Omar R. Hamilton, 2012), e os documentários Ambulance (dir. Mohammed Jabaly, 2016) e Ouroboros (dir . Basma Sharif, 2017). A primeira longa-metragem de Yaqubi, Off Frame AKA Revolution Until Victory (2016) estreou no TIFF, passando também pela Berlinale, Cinéma du Réel, Dubai IFF e Yamagata, entre cinquenta outras estreias e exibições ao redor do mundo.
Filmes apresentados
Off Frame Aka Revolution Until Victory, 2016, 62 min
The Tokyo Reels: Politics of Solidarity, (WIP), 2019
Leituras
Dear Mohanad, Stoffel Debuysere
Identification, Edward W. Said
Indians, Gilles Deleuze & Elias Sanbar
Maghni Aldam, Mahmoud Darwich
Quelque Part En, Jean-Luc Godard